Lazer

 

Sinais do tempo

Dois filmes, "São Jorge", do português Marco Martins e "Paterson", do norte-americano Jim Jarmush premiados internacionalmente chegam às salas envoltos em natural expectativa.

 

Stefan Zweig – Adeus, Europa, de Maria Schrader | Alemanha/França/Áustria, 2016

Com: Josef Hader, Barbara Sukowa e Aenne Schwarz. Estreia 23 de fevereiro.

Evocação dos últimos anos de vida (no exílio) do célebre romancista – e pacifista –austríaco do século XX autor, entre outros, de "Carta de uma desconhecida" e "24 horas na vida de uma mulher", que previu o declínio da Europa. Um olhar subtil sobre a responsabilidade intelectual e a política, em particular o fenómeno nazi.

 

São Jorge, de Marco Martins | Portugal, 2016 

Com: Nuno Lopes, Mariana Nunes, David Semedo. Estreia 9 de março.

No cume da crise,  da 'troika' e das inversões sociais,  um operário desempregado, pugilista nas "horas vagas", aceita trabalho numa empresa de cobranças difíceis. Mais duro, denso e amargo do que este filme sobre uma realidade (recente)  tão nossa não há memória, não. Excelente interpretação de Nuno Lopes, premiado no Festival de Veneza.

 

Paterson, de Jim Jarmusch | EUA/França/Alemanha, 2016

Com: Adam Driver, Golshifteh Farahani, Kara Hayward, Sterling Jerins. Estreia prevista: 9 março.

Exuberante e ternurenta, – por vezes melancólica –, declaração de amor à poesia, centrada na história de um motorista de autocarros de New Jersey que escreve poemas num pequeno caderno. Um filme que é, nos tempos sombrios, um bálsamo, um sopro de esperança nas pequenas coisas belas e simples da vida.

 

Aquarius, de Kleber Mendonça Filho | Brasil/França, 2016

Com: Sonia Braga, Maeve Jinkings, Irandhir Santos. Estreia prevista 16 março.

Uma jornalista e crítica  de música aposentada resiste às invectivas de uma  construtora  decidida a transformar o prédio onde vive num empreendimento de luxo. Um olhar crítico sobre a sociedade brasileira, a hipocrisia social e a especulação imobiliária. Elogiado pela crítica norte-americana e europeia.

 

A Bela e o Monstro, de Bill Condon | EUA, 2017 

Com: Emma Watson, Dan Stevens, Luke Evans, Kevin Kline. Estreia 16 março.

Nova versão, em imagem real, – "aprimorada" via 3D – do clássico musical de animação produzido pela Disney em 1991 e considerado um dos filmes do género mais rentáveis da história do cinema. Para todos.

 

O Leopardo, de Luchino Visconti | Itália/França, 1963

Com: Burt Lancaster, Alain Delon, Claudia Cardinale. Exibição 18 março, às 16h,  no CCB.

É um dos acontecimentos cinéfilos do ano: a grande obra épica de Visconti – baseada no romance homónimo de Giuseppe Tomasi di Lampedusa – sobre o declínio da aristocracia na Sicília do 'Risorgimento' revisitada em cópia nova digital no ecrã gigante do grande auditório do centro cultural de belém. Música de Nino Rota.

Joaquim Diabinho